.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. A MINHA VIDA SEM MIM

.arquivos

. Junho 2012

. Janeiro 2012

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds

Domingo, 1 de Abril de 2007

A MINHA VIDA SEM MIM

                               

Porque hoje é dia das mentiras pareceu-me bastante adequado escrever sobre um dos filmes que vi, nos últimos tempos, e que mais me marcou : “A Minha Vida Sem Mim.” É um filme que nos permite reflectir sobre a vida e, sobretudo, sobre a morte, particularmente quando ela nos é antecipadamente anunciada. Quando deixamos de nos sentir alguém presente, para nos sentirmos apenas um quase eterno passado. Quando a vida parece uma verdadeira mentira, na qual nos tentámos iludir. Quando deixamos de ser vida, de ser projectos a longo prazo, de ser objectivos, para sermos meses, talvez semanas… Quando apenas a morte é certa. E de tal forma certa que, simplesmente, se perde a força de viver. Porque sabemos, mais do que nunca, que será em vão…

Tudo começou com uma indisposição e um desmaio. No hospital, depois de muitos exames, e de o médico ter ido com ela para uma sala e se ter sentado ao seu lado, informa-a de que tem um tumor nos dois ovários, que atingiu o estômago e começa a espalhar-se pelo fígado. Além disso, é muito nova, motivo pelo qual as células se multiplicam mais rapidamente, e não poderão fazer muito por ela.

 

“- Ann, se tivesse mais anos espalhar-se-ia mais lentamente e podíamos operar. Mas… As suas células são muito jovens, demasiado jovens e receio que não possamos fazer nada.

- Quanto tempo?

- Dois meses, talvez três.”

 

O médico acaba por confessar o motivo que o fez vir para ali, em vez de lhe dar a notícia no seu próprio consultório. Afinal como é que um médico informa um paciente de que vai morrer?

 

“Não consigo sentar-me diante duma pessoa e dizer-lhe que vai morrer.”

 

O médico dá-lhe uns folhetos informativos, e umas receitas que ajudam a aliviar as náuseas. Quando chega a casa Ann mente à família, diz tratar-se de anemia. Perante a certeza da morte, Ann vai pensando na sua vida. Sempre ao lado do mesmo homem, Don. De quem engravidou ainda muito nova e com quem vive, juntamente com as suas duas filhas, numa velha e pequena caravana.

Ann vai escrever uma lista de coisas que deve fazer antes de morrer, vai projectar a sua vida sem ela, com a plena consciência de que a vida não lhe reserva já um lugar, o futuro lhe não pertence - “Things to do before I die”:

 

“1. Dizer às minhas filhas que as amo várias vezes ao dia.

2. Arranjar ao Don uma nova mulher de quem as meninas gostem.

3. Gravar mensagens de parabéns para as meninas até aos 18 anos.

4. Irmos à praia juntos e fazermos um grande piquenique.

5. Fumar e beber tanto quanto eu quiser.

6. Dizer o que penso.

7. Fazer amor com outros homens para ver como é.

8. Fazer alguém apaixonar-se por mim.

9. Ir ver o meu pai à prisão.

10. Pôr unhas postiças (e dar um jeito ao cabelo).”

 

Esta lista evidencia o desejo de alguém que sabe que vai morrer. E como essa certeza é cruel. Ann coloca como tarefas tudo aquilo que nunca fez (fazer amor com outro homem ou fazê-lo apaixonar-se por si), ou o que deveria ter feito mais vezes (dizer às filhas que as ama, ir à praia, ir ver o pai, ter um novo visual) ou ainda preparar um futuro sem ela (gravar mensagens para as filhas e arranjar uma namorada para o Don).

Evidencia também a necessidade de afecto.

 

“Mas nem todas as drogas do mundo vão alterar a sensação de que a tua vida foi um sonho do qual só agora acordas.”

 

Ann acaba por conhecer Lee e iniciar uma estranha relação. Ela passeia com ele, ele lê-lhe livros, encontram-se cada vez com mais frequência.

                    

 

“As capacidades dela desaparecem uma a uma e não há noite nem estrelas, apenas uma cave donde ela nunca pode sair e onde mais ninguém pode ficar. Dão-lhe medicamentos que lhe fazem mal, mas que a impedem de morrer. Por algum tempo. Eles estão assustados. Eu estou assustado.”

(livro de John Berger lido por Lee).

 

Até que Lee lhe revela que está apaixonado por ela, que se sente muitíssimo mal quando a vê partir com o marido e que chora por ela, que quer viver o resto da sua vida com ela, tratar das suas filhas, ser feliz ao seu lado. Ela percebe que foi longe de mais. E nunca mais vai ter com ele pois sabe que o fará sofrer ainda mais.

Ann acaba por deixar também uma mensagem a Don dizendo que o ama e uma mensagem a Lee para que ele saiba que ela se apaixonou verdadeiramente por ele. Mas ela nunca cedeu, nunca disse a ninguém que estava a morrer…

                 

“Havia de ter a sensatez de não folhear os álbuns de fotografias; mas não conseguiria deixar de visualizar as imagens que tinha na cabeça – dos momentos desperdiçados porque se supunham infinitos, das noites em que os dois, cansados, se tinham contentado com uma breve carícia em vez de um enlace impetuoso, voltando as costas um ao outro e dispondo-se a um sono gratificante, na convicção total de que ambos teriam outra oportunidade, no dia seguinte, ou no sábado de manhã. Todas essas oportunidades tinham sido enfiadas numa bola de trapos, que um destino indiferente se encarregara de arremessar para bem longe.”

Jacquelyn Mitchard, Um Natal que não esquecemos

publicado por Dreamfinder às 16:39

link do post | comentar | favorito

.links